Skip to content

Vazamento NUCLEAR em Angra

30/05/2009
07/04/2009 - Ativistas do Greenpeace instalam balsa flutuante com quatro turbinas eólicas simbólicas em frente às usinas nucleares de Angra dos Reis (RJ) para protestar contra os investimentos do governo brasileiro na construção de Angra 3, enquanto o potencial eólico do país é desprezado.

07/04/2009 - Ativistas do Greenpeace instalam balsa flutuante com quatro turbinas eólicas simbólicas em frente às usinas nucleares de Angra dos Reis (RJ) para protestar contra os investimentos do governo brasileiro na construção de Angra 3, enquanto o potencial eólico do país é desprezado.

Eu me pergunto de quem foi a idéia idiota de fazer uma usina nuclear em um lugar tão lindo.

São Paulo — Vazamento na usina de Angra dos Reis contamina três funcionários, mas é considerado ‘leve’ pela estatal
Um vazamento radioativo ocorrido em 15 de maio na usina nuclear Angra 2 só foi divulgado nesta terça-feira (26/5) pela Eletronuclear, estatal que gerencia o setor. Três funcionários foram contaminados e estão em observação. A Eletronuclear afirmou em comunicado que o vazamento do material radioativo de Angra 2 foi classificado como nível 1 (o mais baixo) e por isso não há necessidade de ações reparadoras.

“O acidente em Angra 2 serve para ilustrar a incoerência de se ter no Brasil um mesmo órgão – a Comissão Nacional de Energia Nuclear (CNEN) – responsável pela promoção e fiscalização da energia nuclear no país”, afirma Sérgio Leitão, diretor de Campanhas do Greenpeace.

“E o fato da Eletronuclear divulgar o vazamento apenas 10 dias após o ocorrido é prova clara de que o setor nuclear no Brasil é cercado de mistério, graças à sua herança militar.”

Em julho passado, duas usinas nucleares francesas tiveram vazamento de material radioativo, o que contaminou rios e prejudicou o abastecimento de água potável de algumas cidades.

Falhas de segurança foram apontadas em projetos de usinas na França e na Finlândia, inclusive em reatores considerados os mais modernos da atualidade, o EPR – que a estatal francesa Areva quer vender para o Brasil.

http://www.greenpeace.org/brasil/nuclear/noticias/eletronuclear-revela-acidente

PAC – Pacto de Aceleração do Colapso

25/02/2008

Enquanto houver civilização,  somos todos espécies ameaçadas.
A máquina civilizatória,  guiada pelo progresso (leia-se transformar florestas em caixas de concreto e desertos de monocultura) deve ser parada a qualquer custo.
O argumento da elite é de que a simples desaceleração da máquina causaria mortes e sofrimento para todos, mas isso é só uma desculpa para manter seus padrões surrealistas de superconsumo sempre crescente.
Nossas obrigações são: recuperar modos de vida em simbiose com o macroorganismo Gaia e acelerar o colapso da civilização capitalista-industrial.
Digo acelerar, por que esse modelo de sociedade caminha por si próprio, e a passos largos a caminho da auto-destruição. Acelerando esse processo, garantiremos uma maior quantidade e diversidade de vida selvagem, de florestas vivas e saudáveis e maiores chances de sobrevivência para os desertores dos campos de concentração tecnológicos. Em breve publicarei aqui táticas e idéias para tornar a vida na civilização (mais) insuportável e desestabilizar as estruturas físicas, psicológicas e de coerção da máquina devoradora.

cityruins.jpg

geração vídeo-game

08/02/2008

http://planetasustentavel.abril.com.br/noticia/ambiente/conteudo_269439.shtml

Cai interesse por contato com a natureza

Estudo feito por cientistas americanos revela que a prática de atividades ao ar livre e a visitação a parques e refúgios naturais está caindo em ritmo alarmante nos Estados Unidos e no Japão

O motivo, segundo os pesquisadores, é a substituição das diversões externas por hábitos de lazer domésticos e sedentários, como jogar videogame, assistir televisão ou passar horas diante do computador. Observada nas sociedades dos dois países, essa tendência não tem impacto apenas na saúde das pessoas. De acordo com os cientistas, pode comprometer também o interesse dos países em preservar parques naturais e o ambiente de uma forma geral.O alerta é baseado na análise de taxas de visitas aos parques nacionais e estaduais de cada país, e do número de licenças de caça e pesca emitidas por ano nos EUA e no Japão. Conforme diz o estudo, elaborado por Oliver Pergams, da Universidade de Illinois, e Patricia Zaradic, do Environmental Leadership Program da Pensilvânia, o número de visitantes nos parques naturais dos EUA atingiu o seu pico em 1987. Em 2006, a taxa já era 23% menor. No Japão, o declínio observado foi parecido: de 1991 a 2005, o número de visitantes dos parques caiu 18%.A pesca, por sua vez, muito popular entre os americanos em 1981, era 25% menor em 2005. A única atividade cujo número de licenças expedidas ainda não caiu é a caça.

‘Videofilia’ – A queda do interesse de americanos e japoneses no contato com a natureza é atribuída pelos cientistas ao que chamaram de “videofilia” – a disposição cada vez maior das pessoas a ficar em casa, se divertindo com jogos e aparelhos eletrônicos. Não por acaso, a pesquisa centrou seu foco nos dois países onde a tecnologia avança mais rápido, e não demora a chegar aos consumidores.

Além dos problemas de saúde comprovados por outros estudos que a “videofilia” pode causar – obesidade e déficit de atenção, para citar os mais comuns – os autores do estudo se disseram preocupados com um outro aspecto. “O declínio no contato com a natureza tem implicações cruciais noas atuais esforços de conservação ambiental”, declarou Pergams, segundo agências internacionais. Os pesquisadores disseram acreditar que a falta de experiências ao ar livre – especialmente nas crianças – fará com que elas não dêem valor à preservação do meio ambiente no futuro.

Um homem entre os lobos

07/02/2008

Coyotes (Don Edwards)

07/02/2008
Was a cowboy I knew in south Texas
His face was burnt deep by the sun
Part history, part sage, part mesquit
He was there when Poncho Villa was young

And he'd tell you a tale of the old days
When the country was wild all around
Sit out under the stars of the Milky Way
And listen while the coyotes howl 

And they go... poo yip poo yip poo
poodi hoo di yip poo di yip poo
poo yip poo yip poo
poodi hoo di yip poo di yip poo 

Now the long horns are gone
And the drovers are gone
The Comanche's are gone
And the outlaws are gone
Geronimo is gone
And Sam Bass is gone
And the lion is gone
And the Red Wolf is gone

Well he cursed all the roads and the oil men
And he cursed the automobile
Said this is no place for an hombre like I am
In this new world of asphalt and steel 

Then he'd look off some place in the distance
At something only he could see
He'd say all that's left now of the old days
Those damned old coyotes and me 

And they go poo yip poo yip poo
poodi hoo di yip poo di yip poo
poo yip poo yip poo
poodi hoo di yip poo di yip poo 

Now the long horns are gone
And the drovers are gone
The Comanche's are gone
And the outlaws are gone
Now Quantro is gone
Stan Watie is gone
And the lion is gone
And the Red Wolf is gone

One morning they searched his adobe
He disappeared without even a word
But that night as the moon crossed the mountain
One more coyote was heard 

And he'd go, poo yip poo yip poo
poodi hoo di yip poo di yip poo
poo yip poo yip poo
poodi hoo di yip poo di yip poo 

poo yip poo yip poo
poodi hoo di yip poo di yip poo
poo yip poo yip poo
poodi hoo di yip poo di yip poo

O homem-urso

07/02/2008

Bicicletagem Jardinária

24/01/2008

bicicletada-jardinaria_branco.jpg

No sábado dia 26 de janeiro é o dia de ação global. Vamos começar com a bicicletada, nos reunindo no Pátio da Reitoria da UFPR, na Rua Amintas de Barros, a partir de 09:30 da manhã. Depois da bicicletada seguimos em direção ao Govardhana, no Alto da Glória, para mais uma ação da Jardinagem Libertária em um terreno baldio próximo que está sendo revitalizado e retomado para o uso público. Junte-se à bicicletada e à Jardinagem Libertária e traga seus amig@s, humanos, animais ou vegetais.

Saiba mais: http://jardinagemlibertaria.wordpress.com